...

...

15/06/2017

Segunda onda de calor de Junho 2017: é urgente reforçar a rega de árvores

Previsão de tempo do IPMA para Lisboa entre 15 e 20 de Junho

A Primavera de 2017 está a ser extremamente seca e quente. Depois de um mês de Abril extremamente quente e extremamente seco seguiu-se um Maio extremamente quente. Entretanto, em Junho, inicia-se amanhã aquela que é já a segunda onda de calor do mês. Estas condições impõem um enorme stress hídrico às plantas.

Desta forma, devido à seca e calor extremo, que é previsto agravarem bastante nos próximos dias, é urgente reforçar a rega de árvores plantadas nos últimos 2 a 3 anos, com sistemas radiculares ainda pouco estabelecidos.

Como exemplo, num passeio por Lisboa no dia 14/Jun/17, entre Entrecampos e o Parque Eduardo VII, constatei que muitos dos exemplares do género Prunus (que inclui cerejeiras-bravas e ameixeiras-de-jardim, por exemplo) plantados no Eixo Central, em especial no alinhamento externo mais próximo dos edifícios, se encontram em elevado stress hídrico e vários deles irão provavelmente secar irreparavelmente se não for reforçada a sua rega.

Ao mesmo tempo, o pinheiro-manso plantado ao lado da nova escadaria de acesso ao Pavilhão Carlos Lopes, em substituição de um de grande porte que foi abatido, já secou e necessita de ser substituído.

Deixo aqui, por isso, o apelo para que alertem quem conheçam nas vossas juntas de freguesia, na CML e outras entidades pelo país fora que tenham a seu cargo espaços verdes, para que reforcem urgentemente a rega das plantas/árvores que necessitem.

Ou terão de gastar muito dinheiro a substituí-las, como terá de ser substituido o pinheiro-manso atrás referido.


Actualização a 16.06.2017


Entretanto, em contacto telefónico com a CML, fui encaminhado para o sítio na internet Na Minha Rua, da CML, que não conhecia. Fiz lá um relato sobre esta minha preocupação sobre as árvores da Avenida da República. Se conhecerem alguma outra situação sugiro que façam lá o registo. Obrigado!

4 comentários:

Anónimo disse...

De facto, não é só plantar árvores, estas deverão ser regadas, pelo menos nos primeiros anos da sua existência.
Aqui se põe novamente o problema das competências: CML/Juntas de Freguesia, problema esse ao qual as árvores são alheias.

Pinto Soares

MP Carvalho disse...

É estranho quando temos contratados na função pública cidadãos pagos para tratar destas questões, e os cidadãos sentem necessidade de fazer alertas como este ...

Anónimo disse...

Também convinha lavarem as ruas de vez em quando. A minha rua já não é lavada há dois anos! Só se vê restos de fezes de animais, lixo e porcarias variadas. É este o conceito de limpeza do espaço público do executivo camarário?!

Anónimo disse...

Tem a Câmara um sistema integrado de rega que aproveite as águas residuais devidamente tratadas ?
Ou está a utilizar água potável para a rega ?