E já sabe: não compre azulejos!

E já sabe: não compre azulejos!
(foto: Rosa Pomar)

29/07/2015

É uma vergonha, senhores!


O que a JF Avenidas Novas está a permitir que se faça às tipuanas fabulosas da Conde Valbom, uma V-E-R-G-O-N-H-A!


Foto: Joana Madeira Silva in Facebook

Na Galeria Monumental, Campo Mártires da Pátria 29, a partir das 20,30


Residente no Hospital Miguel Bombarda entre 1901 a 1921, um dos maiores poetas portugueses do século XX, publicado há 100 anos na revista Orpheu de Fernando Pessoa. Dois desenhos seus estão expostos no Museu.
Ana Deus cantará A Lima, declamação por vários actores Henrique Caetano, Sónia Baptista, etc, imagens inéditas do filme "Pára-me de Repente o Pensamento", debate com realizador Jorge Pelicano, e outros.
Estamos convidados e apoiamos.
A Cultura dignifica e prestigia a Medicina e a Psiquiatria.
Pelo Desenvolvimento do Museu Miguel Bombarda de Arte e Ciência

Canteiros na Rua Braamcamp (Julho 2015) II







Lisboa sente falta da velha feira. Para onde poderá ir a nova?

Foto do blogue Denúncia Coimbrã
Localização da Feira Popular, que a câmara irá decidir, poderá estar reduzida a três hipóteses. Autarquia quer oferta diferente das internacionais

Em Monsanto, na Bela Vista ou no Parque do Tejo e do Trancão. De acordo com os arquitetos ouvidos pelo DN, estes são os locais mais apropriados para alojar um futuro parque de diversões de Lisboa.
Carrilho da Graça, distinguido com o Prémio Valmor pelo Pavilhão do Conhecimento dos Mares na Expo"98, explica que uma feira popular pode, de certa forma, ser entendida como os antigos rossios. "Espaços na periferia, fora das muralhas, colonizados por feiras e que mais tarde foram absorvidos. Nesse sentido, temos Monsanto, um enorme parque natural que dispõe de zonas adjacentes relativamente disponíveis. Isso seria uma forma de criar uma nova zona para a cidade que no futuro poderia ser aproveitada de forma diferente."
Monsanto é igualmente uma das duas zonas apontadas pelo paisagista João Gomes da Silva, também ele prémio Valmor - pelos espaços públicos que desenhou para a Parque Expo. "A antiga Feira Popular era um espaço muito árido, denso, muito urbano e sem árvores. Não há dúvida de que uma possível futura zona de diversões deveria estar relacionada com um grande parque. Em Lisboa, só vejo Monsanto e o Parque do Tejo e do Trancão. Ambas as localizações são periféricas em relação a Lisboa, mas são centrais relativamente à área metropolitana e essa escala é importante."

In DN por José Fialho Gouveia, 2015-07-29

..................................................................................................................

Monsanto não é "reserva de terrenos"....é um Parque Florestal 
senhores arquitectos ! Por favor guardem as más ideias para 
o vosso quintal....

28/07/2015

Fonte Abandonada na Calçada da Glória
































As torneiras já desapareceram, e tudo se reduz a uma lixeira... porque não consegue Lisboa tratar, cuidar das suas fontes e lagos? O arruamento está todo vandalizado com grafitis (o projecto Arte Urbana terá morrido?) e o próprio Elevador da Glória (MN) já não se lembra de circular sem grafitis...

Árvores & Obras: Av. Sacadura Cabral
















Mais uma árvores em perigo dentro de um estaleiro de obras e a poucos metros da sede da Junta de Freguesia do Areeiro. O tronco está sem qualquer protecção física apesar de o regulamento (sim, há um regulamento!) prever a salvaguarda das árvores no espaço público em contexto de obra.

Canteiros na Rua Braamcamp (27 Julho 2015)













25/07/2015

Uma mulher cega vai chegar a deputada: "Uma alegria mas também uma tristeza: porquê só agora?"

Fotografia © Gerardo Santos / Global Imagens

Entrevista a Ana Sofia Antunes, candidata a deputada do PS pelo círculo de Lisboa

Só um péssimo resultado eleitoral - ou seja, a derrota - impedirá que em outubro tenha assento pela primeira vez na Assembleia da República uma pessoa com deficiência. A protagonista é Ana Sofia Antunes, cega de nascença, colocada em 19.º lugar na lista do PS pelo círculo de Lisboa.
Como é que surgiu esta ideia de ser candidata a deputada pelo PS?
Surgiu como um convite por parte de António Costa que eu, depois de ponderar devidamente, aceitei.
Trabalhou muito com ele na Câmara Municipal de Lisboa?
Não muito diretamente com ele. Mas assessorei durante vários anos o vereador da Mobilidade na Câmara de Lisboa, o professor Nunes da Silva, e fazia assessoria jurídica na câmara. Em função da minha área de interesse, o facto de ser uma pessoa com uma deficiência e de estar muito ligada ao movimento das pessoas com deficiência, fiz sempre muita pressão na câmara com um plano de acessibilidade pedonal, que teve grande apoio e incentivo de António Costa. Era outra das minhas tarefas. O executivo era dirigido por António Costa, com o qual trabalhei muito, embora indiretamente, ao nível da revisão da regulamentação da câmara, em 2012 e 2013.
E a cidade está agora bem equipada?
Isso ainda é um bocadinho uma miragem, mas temos agora bons instrumentos para começar a fazer obra física, é isso que interessa. Não podemos avançar para a obra sem planificação, mas toda a planificação serve de muito pouco se não tomarmos a decisão de fazer o que interessa, que é obra física no espaço público. Há coisas que já começaram a ser feitas nas passadeiras - rebaixamentos e sinais sonoros, por exemplo -, mas temos de reconhecer que ainda há muito para fazer.
Os direitos dos deficientes serão o seu principal cavalo de batalha na Assembleia da República?
Obviamente que sim, por todas as razões. Sou uma pessoa com uma deficiência visual congénita [de nascença]. Não faria sentido nenhum, tendo esta oportunidade, não constituir como minha principal prioridade o trabalho em prol das pessoas com deficiência. Sinto uma grande alegria porque nunca uma pessoa com uma deficiência fora indicada para a Assembleia da República nem para qualquer outro cargo de relevo, de eleição ou nomeação. É um momento de alegria, mas também de tristeza: porquê só agora. Porque é que isto só está a acontecer em Portugal agora?

In DN, 2015-07-25 por João Pedro Henriques

........................................................................................

Boa sorte Ana Sofia Antunes! 

Pessoalmente sempre me questionei sobre quem nesta terra representa os interesses (e os direitos) dos deficientes visuais. Mas eu começaria com uma luta em três frontes: a primeira seria a correcção de um número sem conta de mobiliário urbano colocado no espaço público por absolutos tontos. Gincana para a maioria....pesadelo para invisuais. A segunda....e a mais importante, seria uma luta sem tréguas à gentinha dos carros nos passeios e a todos os demais que diariamente (mais à noite), fazem dos passeios públicos uma nojeira pegada com os excrementos dos seus animais. Aliás todos deveriam experimentar caminhar de bengala e olhos vendados assim umas centenas de metros....a ver se gostavam da experiencia !? 

Boa sorte !! 



24/07/2015

Lisboa Capital: Feia, Porca e Má








Imagens de arruamentos em Santa Maria Maior, Arroios e Estrela

Lisboa, Capital vendida às marcas de Cerveja?

 Jardim de Santos
 Cais do Sodré
 Cais do Sodré
 S. Bento
 Jardim da Estrela
 Santos-o-Velho
 Castelo
Lisboa, e os seus espaços públicos históricos, está cada vez mais submissa às marcas de cerveja. Apesar de todas as denúncias e críticas, continuamos a ver estes cenários de terceiro mundo que apenas prejudicam a cidade e os seus cidadãos. Será que o Dr. Fernando Medina vai ter a coragem política de acabar com este casamento de conveniênvcia que já dura há demasiados anos? 

21/07/2015

Isto ainda está em Monsanto?


Face ao estado calamitoso do antigo Restaurante Panorâmico, visível desde Campolide, alguém sabe se os painéis de Manuela Madureira e Luís Dourdil ainda lá estão? (2 primeiras fotos do Público)

Av. da Liberdade: o que se passa com os jardins?!






Árvores de Lisboa: Mais 1 vítima das "obras"
































Quantos mais dias irá sobreviver esta árvore dentro do estaleiro de uma obra pesada? Está sem qualquer protecção! Onde se vê o monte de ferros aos molhos existiu uma árvore igual mas entretanto já abatida pelo dono de obra. Toda esta barbárie pode ser vista na Rua Rodrigues Sampaio 91 (predio com frente também para a Avenida da Liberdade). A CML já foi alertada para esta situação. A maior das ironias é que este projecto é suposto ser de "habitação de luxo". É assim o luxo civilizado de Lisboa...

A barbárie e os ineptos chegaram às tipuanas da Conde Valbom e quem de direito fica a ver a banda passar!



E começou a poda-abate das tipuanas da Conde Valbom??? Que pouca vergonha!

Foto de ontem, na Marquês de Tomar, por José Baltazar