25/09/2017

Antiga "Casa das Águas" - pedido à CML


Exmo. Senhor Presidente
Dr. Fernando Medina,
Exmos. Senhores Vereadores
Dr. Duarte Cordeiro
Arq. Manuel Salgado
Dra. Catarina Vaz Pinto


CC. AML e media

Vimos por este meio solicitar a V. Exas, Senhor Presidente e Senhores Vereadores, a melhor atenção para a antiga loja “Casa das Águas”, sita na Rua do Ouro, nº 243, que se encontra encerrada desde há pouco tempo e cujo recheio importa preservar antes que o novo proprietário do edifício decida fazer obras que o destruam.

Com efeito, a antiga “Casa das Águas”, contém não só o seu invólucro de origem (montras, chão, vãos - a loja é a entrada do próprio prédio) como todo o recheio material (armários, etc.), que lá ficou, basicamente tudo quanto remonta ao projecto da década de 50.

A “Casa das Águas”, apesar de não constar do programa Lojas com História, usufrui da protecção, ainda que ténue, que resulta de estar inserida na Baixa Pombalina (Conjunto de Interesse Público) e o inventário anexo ao Plano Director Municipal (lote 48.118).

Solicitamos, portanto, a melhor atenção da Câmara Municipal de Lisboa por forma a garantir-se a integridade do espaço no âmbito de eventual processo de alterações que venha a ser submetido aos serviços de Urbanismo da CML.

Com os melhores cumprimentos


Paulo Ferrero, Bernardo Ferreira de Carvalho, Rita Filipe Silva, Fernando Jorge, Rui Martins, Gustavo da Cunha, António Araújo, Luis Mascarenhas Gaivão, Fernando Silva Grade, Gonçalo Cornélio da Silva, Carlos Moura-Carvalho, Júlio Amorim, Beatriz Empis, Maria do Rosário Reiche, João Leitão, Miguel de Sepúlveda Velloso, José Maria Amador, Pedro Henrique Aparício

Novo terminal de cruzeiros, esclarecimento da APL:


Digno de uma capital europeia e de uma zona classificada de Monumento Nacional...


(via HO)

21/09/2017

SOS, pelos freixos de Marvão


(fotografia de descobriralentejo.pt)
«Exmo. Senhor Primeiro Ministro
Dr. António Costa,


Dirigimo-nos a V. Exa. no sentido de o alertar e de lhe fazer chegar a nossa imensa consternação e inquietação sobre o que se prevê venha a acontecer à preservação de um património arbóreo único no nosso país, um conjunto de árvores veneráveis, que não pertencem apenas à geração que as plantou e que dela cuidou, mas a todas as gerações que lhe seguiram.

Trata-se da alameda de freixos (Fraxinus angustifolia Vahl) monumentais da Estrada Nacional 246-1, entre Castelo de Vide e Marvão (distrito de Portalegre); um conjunto 235 freixos centenários classificado pelo Plano Director Municipal de Marvão (Resolução do Conselho de Ministros n.° 70/94). Estas árvores estão ainda classificadas como Árvores de Interesse Público desde 24 de Fevereiro de 1997.

Acontece que um estudo recente recomenda o abate de mais de 40 destes freixos monumentais. Estas árvores vêm sendo negligenciadas desde há muitos anos. Em meados dos anos 90 ainda estavam de boa saúde e o "túnel de árvores" era um cenário magnífico. Mais recentemente, em 2012, foram abatidas cerca de 30 árvores (!). Há também notícias de abates em 2008 e o abate controverso já este ano de mais algumas pela Infraestruturas de Portugal.

Não questionamos a legitimidade das conclusões do estudo, ao qual ainda não tivemos acesso, nem o diagnóstico desolador que este faz às árvores, mas não aceitamos com facilidade as soluções avançadas. As árvores constituem-se como biocenoses, o que implica que as intervenções numas, tenham impactos que podem ser muito negativos em outras.

Em Portugal existem escassíssimas estradas em túnel com árvores monumentais. Há mais de 100 anos alguém se deu ao trabalho de escolher cuidadosamente, talvez mesmo semear, esta alameda de freixos. Plantou-os, cuidou deles, e partiu com a certeza de que tinha feito algo de útil para as próximas gerações. Com que direito aqueles que hoje herdam este património e têm responsabilidades em legá-lo às gerações futuras escolhem preservar a estrada e abater as árvores monumentais?

Os especialistas e homens da ciência têm a obrigação de, em coordenação com os políticos e os cidadãos interessados, encontrar soluções desacostumadas para o mundo.

Sabemos que, em tempos, houve um projecto de construção de uma estrada alternativa entre Marvão e Castelo de Vide, que ficou esquecido. E há muito que o ICNF, a entidade responsável pelo arvoredo classificado, recomenda o fecho da estrada ao trânsito como medida de preservação destas árvores.

O que vimos pedir a V. Exa, Senhor Primeiro Ministro (que no passado como Presidente da CML redigiu o inovador despacho 60/P/2012), é que faça sair da gaveta este projecto de estrada alternativa e que o "túnel" das árvores do Marvão seja fechado ao trânsito e posto à fruição dos portugueses como santuário arbóreo do país. Que estes freixos possam morrer de pé e com a dignidade de que são exemplo há mais de uma centena de anos.

Muito obrigada pela atenção que se dignar prestar a este nosso pedido.

Muito atentamente,

Rosa Casimiro, Inês Beleza Barreiros, Paulo Ferrero, Fátima Castanheira, Miguel Velloso, Maria de Magalhães Ramalho, Jorge Pinto, João Pinto-Soares, Manuela Correia, Rui Plácido, Raquel Lopes, Elsa Severino, Artur Lourenço, Manuel Valadas Preto, Maria de Fátima Carmo, Carlos Neves, Paulo Torres, Paulo Lemos, Alexandre Nunes, Ana Alves de Sousa, Gui Abreu de Lima e J.D. Mondego
Pela Plataforma em Defesa das Árvores» (in Blog Somos Árvores)

...

A Plataforma em Defesa das Árvores tem como seus signatários vários cidadãos em nome individual e as seguintes organizações: Árvores de Portugal, Associação Lisboa Verde, Associação Vamos Salvar o Jamor, Fórum Cidadania Lx, GEOTA, Grupo de Amigos da Tapada das Necessidades, Grupo de Amigos do Príncipe Real, Grupo Ecológico de Cascais, Liga dos Amigos do Jardim Botânico, Plataforma por Monsanto, Plantar Uma Árvore e Quercus.

O novo terminal de cruzeiros:


O novo terminal de cruzeiros de Lisboa entrou em funcionamento na segunda-feira, 19 de Setembro. (in negócios.pt)

Há mais azulejos na Avenida Infante Santo


Novo conjunto de azulejos na Infante Santo, da autoria de add fuel (Diogo Machado), inaugurados ontem. (foto de Fernando Correia de Oliveira)

18/09/2017

Lisboa, capital europeia da demolição 2007-2017


In Público (11.9.2017)

«Lisboa, capital europeia da demolição 2007-2017

Se nada acontecer em contrário, o balanço em 2027 será avassalador. Porventura já nada existirá da Lisboa Entre-Séculos.

As coisas são como são e as instituições são as pessoas que lá estão, pelo que, no que toca ao urbanismo da cidade de Lisboa nos últimos dez anos, seu planeamento e sua execução, podem ter tido muitos técnicos e chefias, uns mais intermédios, poderosos, inofensivos ou letais do que outros, mas todos tiveram um responsável máximo: o vereador Manuel Salgado, e disso não há como fugir.

É certo que nos dez, 20 anos anteriores a 2007 o urbanismo na Câmara Municipal de Lisboa (CML) foi tão mau a nível dos seus resultados práticos (acumulando escândalos e atentados à cidade, e impreparados/as, cada um “melhor” que o outro), com tudo a ser feito com tal grau de aleatoriedade, discricionariedade e, sobretudo, ignorância (lembremo-nos, por instantes, do abate compulsivo de património industrial na Boavista e em Alcântara, do escandaloso loteamento da Quinta do Mineiro, das demolições da casa de Garrett e do Colégio dos Inglesinhos, dos edifícios que encimavam a R. Barata Salgueiro/R. Rodrigo da Fonseca, das construções promovidas pela própria CML em Entrecampos, etc.) que, quando em 2005 se perspectivou a entrada (falhada) de Manuel Salgado na CML, e em 2007 a dita se concretizou, muitos pensaram que Lisboa não podia ficar pior do que tinha estado até então. Mas ficou.

Melhor dito, a cidade não ganhou absolutamente nada com o que lhe fizeram desde então, porque ganhar há sempre quem ganha, obviamente, que o digam os hoteleiros, os donos de cafés e restaurantes, os projectistas de referência e, claro, os especuladores imobiliários que viram recompensados os seus “esforços” de anos de espera.

Verdade seja dita que Lisboa precisava de ser “cerzida” em termos de planeamento, mas não da forma que o foi, com um sem-número de planos de pormenor e planos de urbanização que foram sendo elaborados ao sabor da pena (curioso como deixaram de fora o apetecível Paço do Lumiar, por ex.) e outras tantas alterações a vários outros já existentes (e isso foi péssimo nos casos do bairros históricos de Alfama, Mouraria, Castelo, Bica e Bairro Alto), desde logo e acima de todos com o próprio novo Plano Director Municipal de 2012, não só porque o de 1994 estava encalhado numa espécie de limbo por falta de coragem em o actualizarem como se impunha, mas porque, imagine-se o coitado, era visto como extremamente proteccionista em termos do edificado (o estado de conservação da Baixa serviu inclusive de arma de arremesso na discussão que se produziu entre 2006-2012).

Só que essa farta produção de regulamentação (regra geral munida de textos imaculados sobre o que proteger, permitir e incentivar) foi sendo ultrapassada pela verdade dos factos: o promotor português, e não só, visa o lucro fácil e está-se borrifando para detalhes como os interiores dos imóveis, os elementos decorativos, os logradouros, etc., pelo que se ninguém o quiser ou conseguir travar ficamos com o destino da cidade ao sabor do bom gosto deste e/ou do bom senso daquele. Pelo que tudo o mais para lá dos regulamentos passou a letra morta: a reabilitação urbana a fake, à fachada para “inglês ver” e estatística contabilizar e revista internacional propagandear. E, com isso, a cidade não ficou menos assimétrica ou “desdentada”, mais bonita ou apetecível de viver.

A essa inconsequência prática juntaram-se vários factores e confusões circunstanciais na própria CML (a reforma administrativa da cidade, a introdução de áreas de reabilitação urbana, unidades territoriais, várias “vias verdes” a nível do licenciamento — licenciamento zero, protocolo CML/Igespar, projectos de “interesse excepcional”, projectos PIN —, mais a brutal secundarização do inventário municipal do património e do respectivo corpo técnico à vontade do pelouro do urbanismo, a inexistência de oposição e de crítica interna pelos parceiros de coligação, a irrelevância nunca vista da Assembleia Municipal de Lisboa, etc.), a factores externos (a famigerada nova lei do arrendamento, a regulamentação que privilegia o investimento turístico, queimando etapas a nível administrativo, etc.) e à vontade indómita do vereador, expressa publicamente por diversas vezes, honra lhe seja feita, em querer fazer da “reabilitação urbana” do Chiado (em que quase tudo o que foi feito até 2007 era construção nova com manutenção de fachada) um modelo a replicar na Baixa e um pouco por toda a cidade, associando-lhe o elemento rapidez e uma boa dose de propaganda (como mandam as regras). Nunca o licenciamento de hotéis foi tão célere, demolidor, ad-hoc mesmo. E o balanço é terrível.

Que só importará a quem se preocupe com a salvaguarda da cidade de Lisboa enquanto cidade heterogénea, rica em património, porque diverso e sui generis, habitável por todos sem excepção. Grosso modo, Lisboa terá perdido, entre 2007 e 2017, cerca de 400 edifícios. Edifícios de todas as épocas (a arquitectura dita de transição está à cabeça da lista), do mais humilde ao mais requintado, do pátio operário alfacinha ao palacete burguês com motivos Arte Nova, da antiga instalação industrial da arquitectura do ferro à casa apalaçada setecentista. Edifícios que foram demolidos totalmente e depois substituídos por edifícios novos, na maior parte dos casos com “assinatura de autor”. E edifícios que viram ser demolidos os seus interiores espaçosos e bem decorados, para neles se verter betão, acoplarem novos pisos e abrirem estacionamento subterrâneo nos respectivos logradouros.

Foi assim um pouco por toda a Lisboa, mais uma vez nos anteriormente martirizados (pontualmente) bairros Barata Salgueiro e Camões e nas Avenidas Novas, mas também em bairros onde o flagelo assume foros de escandaloso, porque em quarteirões intactos e zonas até aí consolidadas, onde, portanto, não se esperava que tal acontecesse: Campo de Ourique, Lapa, Estefânia.

Se nada acontecer em contrário, o balanço em 2027 será avassalador. Porventura já nada existirá da Lisboa Entre-Séculos salvo os escassos edifícios classificados de interesse municipal ou público. Nessa altura estaremos já a contabilizar o desbravar do camartelo e da especulação imobiliária em terrenos considerados hoje inatacáveis, desde logo pelos que agora projectam sobre os escombros de prédios desenhados por colegas do passado: o legado modernista e pós-modernista.

Ao leitor mais interessado, segue uma lista com mais de 200 edifícios demolidos integralmente, ou cuja reabilitação é 90% de fachada [fotos aqui (NB: lista de demolições vai sendo actualizada até final do ano, pelo que as fotografias são agora 238)]. Demolições ocorridas não por força de qualquer bombardeamento ou cataclismo imprevisto, mas em resultado de projectos voluntariamente aprovados ou licenciados pela CML entre 2007 e 2017, i.e., porque a CML assim o quis (nota: as demolições resultantes de aprovações/licenciamentos anteriores a 2007 — ex. prédios de Ventura Terra na Av. República/Av. Elias Garcia — não são para aqui chamadas).

Boa leitura!

LISTA:

Alameda das Linhas de Torres, 232
Avenida 5 de Outubro, 108
Avenida Almirante Reis, 35 / Regueirão dos Anjos
Avenida Almirante Reis, 43
Avenida António Augusto de Aguiar, 140
Avenida António Augusto de Aguiar, 2
Avenida António Augusto de Aguiar, 22
Avenida Casal Ribeiro, 1
Avenida Cinco de Outubro, 2
Avenida Cinco de Outubro, 273-277
Avenida Cinco de Outubro, 279-281
Avenida Cinco de Outubro,149
Avenida Conde de Valbom, 25-27
Avenida da Índia, 184 (antiga residência do Governador do Forte do Bom Sucesso)
Avenida da Liberdade, 12 (antigo Centro Comercial Guérin)
Avenida da Liberdade, 159
Avenida da Liberdade, 187 (travessa entre Hotel Tivoli e Hotel Veneza)
Avenida da Liberdade, 203-221/ Rua Rosa Araújo
Avenida da Liberdade, 238/ R. Rodrigues Sampaio, 91
Avenida da Liberdade, 247
Avenida da República, 25
Avenida da República, 63
Avenida de Berna, 3
Avenida de Berna, 5
Avenida de Berna, R. Dom Luís de Noronha, 5
Avenida Defensores de Chaves, 5
Avenida Defensores de Chaves, 7
Avenida Defensores de Chaves, 9
Avenida Defensores de Chaves, 97
Avenida Duque d'Ávila, 193
Avenida Duque d'Ávila, 49
Avenida Duque d'Ávila, 65
Avenida Duque de Loulé, 10
Avenida Duque de Loulé, 35
Avenida Duque de Loulé, 6
Avenida Fontes Pereira de Melo, 12
Avenida Fontes Pereira de Melo, 39
Avenida Fontes Pereira de Melo, 41
Avenida Fontes Pereira de Melo, 43
Avenida Infante Dom Henrique, 36 (Chalet Vhils)
Avenida João Crisóstomo, 40
Avenida João Crisóstomo, 42
Avenida João XXI, 59
Avenida Joaquim António de Aguiar, 13-17
Avenida Joaquim António de Aguiar, 5-7
Avenida Joaquim António de Aguiar, 9-11
Avenida Luís Bivar, 21-29
Avenida Miguel Bombarda 105 / Av. Marquês de Tomar
Avenida Miguel Bombarda, 149
Avenida Óscar Monteiro Torres, 49
Avenida Praia da Vitória, 16/ Av. Avenida Defensores de Chaves, 18
Avenida Praia da Vitória, 30/ Av. Avenida Defensores de Chaves, 17
Avenida Sacadura Cabral, 10
Avenida Sacadura Cabral, 6
Avenida Santa Joana Princesa, 10
Avenida Visconde de Valmor, 40
Avenida Visconde de Valmor, 53
Avenida Visconde de Valmor, 55
Avenida Visconde de Valmor, 57
Calçada da Ajuda, 223
Calçada da Ajuda, 33-37
Calçada da Estrela, 129
Calçada da Estrela, 145
Calçada da Estrela, 24/ R. Correia Garção
Calçada da Pampulha, 23
Calçada da Patriarcal, 24
Calçada de São Francisco, 23-37
Calçada do Livramento, 19
Calçada do Monte, 70-72
Calçada do Poço dos Mouros, 16
Calçada Marquês de Abrantes, 9
Calçada Salvador Corrêa de Sá, 27
Campo das Cebolas, 3 (Garagem Ribeira Velha)
Campo Mártires da Pátria, 60 (solar oitocentista, casa de Maria Amália Vaz de Carvalho)
Edifício da Escola de Medicina Veterinária
Escadinhas da Porta do Carro, 17
Escadinhas de São Crispim, 3 / Calçada do Conde de Penafiel
Largo Barão de Quintela, 1
Largo das Olarias, 35-42
Largo do Andaluz, 6-11
Largo do Chiado, 4 (Barbearia Campos)
Largo do Contador-Mor, 3-4 (Palácio do Contador-Mor)
Largo Dr. António de Sousa Macedo, 2
Largo São João Baptista, 1
Moradia do director da Central Tejo
Pátio do Tijolo, 21 (Litografia Portugal — o que dela restava)
Praça da Alegria, 5-11 (Palácio São Miguel)
Praça da Figueira, 14-16
Praça das Flores, 10-14
Praça do Príncipe Real, 32
Praça Duque de Saldanha, 21
Praça Duque de Saldanha, 7
Praça Duque de Saldanha, 9
Praça Luís de Camões, 40-43 (Ourivesaria Silva)
Rodrigo da Fonseca, 15
Rua 4 de Infantaria, 44-48
Rua 4 de Infantaria, 50-60
Rua Alexandre Herculano, 40
Rua Alexandre Herculano, 41/ Rua Rodrigo da Fonseca
Rua Aliança Operária, 61-65
Rua Almeida Sousa, 5
Rua Almeida Sousa, 7
Rua Almirante Barroso, 60
Rua Almirante Barroso, 62
Rua Andrade Corvo, 16
Rua Andrade Corvo, 18-22
Rua Andrade, 17-21
Rua Andrade, 23-29
Rua Antero de Quental, 43
Rua António Cândido, 34-36/ Rua Pascoal de Melo (quarteirão da Portugália)
Rua António Maria Cardoso, 9-13
Rua Aquiles Monteverde, 16
Rua Augusta, 147-155/ Rua da Vitória
Rua Azedo Gneco, 21
Rua Bernardo Passos, 6
Rua Borges Carneiro, 1-9
Rua Cais de Santarém, 52 (Palácio dos Condes de Coculim — o que dele restava)
Rua Capelo, 14-18
Rua Capitão Renato Baptista, 73
Rua Castilho, 15/ Rua Rosa Araújo
Rua Chaby Pinheiro, 20
Rua Cidade da Horta, 23
Rua Conde de Antas, 55
Rua Conde de Antas, 67-69
Rua Conde de Antas, 77
Rua Correia Teles, 4-16/ Rua 4 de Infantaria
Rua Correia Teles, 45-47
Rua da Alegria, 38-48
Rua da Alegria, 59
Rua da Conceição à Glória, 20-24
Rua da Emenda, 1-7/Rua Ataíde
Rua da Estrela, 51
Rua da Junqueira, 33
Rua da Lapa, 69
Rua da Mãe d'Água, 18
Rua da Palmeira, 8
Rua da Páscoa, 2
Rua da Prata, 227
Rua das Amoreiras, 56
Rua das Canastras, 27
Rua das Damas, 2
Rua das Janelas Verdes, 40-58
Rua das Pedras Negras, 35-37
Rua das Portas de Santo Antão, 114-134 (Palácio da Anunciada)
Rua das Portas Santo Antão, 137-145
Rua das Taipas, 38
Rua das Taipas,18
Rua das Trinas, 135-141
Rua das Trinas, 45
Rua de Campolide, 316
Rua de Dona Estefânia, 102
Rua de O Século, 102-114 (Palácio do "Bichinho de Conta")
Rua de Pedrouços, 97-99 (Vila Garcia)
Rua de Santa Marta, 22-24
Rua de São João da Praça, 19-25
Rua de São João da Praça, 29-59
Rua de São Marçal, 9
Rua Diário de Notícias 142/ R. S. Pedro de Alcântara (Palácio dos Lumiares — o que restava)
Rua do Açúcar, 82
Rua do Conde, 31
Rua do Conde, 31
Rua do Ouro, 135
Rua do Ouro, 145
Rua do Salitre, 122
Rua do Salitre, 143
Rua do Salitre, 151
Rua do Salitre, 31
Rua do Salitre, 91-101
Rua do Salitre, 92,94
Rua do Sol à Graça, 46-48
Rua do Tojo, 22-30
Rua dos Bacalhoeiros 12 (ao lado da Casa dos Bicos)
Rua dos Cegos, 2-6
Rua dos Correeiros, 204
Rua dos Douradores, 96-104/Rua da Vitória
Rua dos Lagares, 72
Rua dos Lagares, 74
Rua Doutor António Cândido, 16
Rua Fernandes Tomás, 61
Rua Fernandes Tomás, 64
Rua Ferreira Borges, 19-25
Rua Filipe da Mata, 52
Rua Filipe Folque, 22
Rua Filipe Folque, 39
Rua Gomes Freire, 140-142
Rua Ivens, 1
Rua Ivens, 14 / R. Capelo (Rádio Renascença)
Rua Ivens, 21 (prédio que era da Fidelidade)
Rua Ivens, 71
Rua Luciano Cordeiro, 119-121
Rua Luciano Cordeiro, 92
Rua Marques da Silva, 67
Rua Nova de São Mamede, 64
Rua Pascoal de Melo 70-72/ Rua Rebelo da Silva 1-7
Rua Pedro Calmon, 32
Rua Pedro Nunes, 49
Rua Pinheiro Chagas, 74
Rua Pinheiro Chagas, 76
Rua Remédios à Lapa, 13-17
Rua Rodrigues Sampaio, 100
Rua Rodrigues Sampaio, 87
Rua Rosa Araújo, 10
Rua Rosa Araújo, 16
Rua Rosa Araújo, 25-27
Rua Rosa Araújo, 29-31
Rua Rosa Araújo, 32
Rua Rosa Araújo, 49 (era prédio de Nicola Bigaglia)
Rua Rosa Araújo, 55
Rua Rosa Araújo, 6
Rua São Francisco de Borja, 27-29
Rua Silva Carvalho, 142-144
Rua Silva Carvalho, 146-148
Rua Sousa Martins, 20
Rua Sousa Martins, 20
Rua Sousa Martins, 31
Rua Tomás da Anunciação, 22
Rua Tomás Ribeiro, 109
Rua Vale do Pereiro, 7-9
Rua Viriato, 16
Rua Vitor Cordon, 41-45 (Hotel Braganza/Universidade Livre)
Travessa da Glória, 22
Travessa da Pena, 4 (engomadoria da Ramiro Leão)
Travessa de André Valente, 23-25 (casa onde morreu Bocage)
Travessa de Santa Quitéria, 8
Travessa Henrique Cardoso, 45-47
Travessa Henrique Cardoso, 81-87
Travessa Oliveira à Estrela, 21


Paulo Ferrero
Fundador do Fórum Cidadania Lx»

Que se passa nesta Quinta do Lumiar? Andam a matar os pinheiros, também?


Diz, quem sabe, que foi há cerca de um ano que começaram as movimentações no terreno para implantar a urbanização "Quinta do Paço do Lumiar" e que neste momento, ainda está em fase de apreciação pela CML! O pior é que ali há pinheiros mansos e lindos! Dizem, os outros, que os pinheiros estão salvaguardados mas comparando aquele imenso pinheiro como era há 3 meses e como está agora, alguma coisa está a correr mal. https://www.google.pt/maps/@38.7713927,-9.1728638,3a,37.5y,55.36h,87.28t/data=!3m7!1e1!3m5!1sgPnEgsyD7_R1VgA48WuwWA!2e0!6s%2F%2Fgeo2.ggpht.com%2Fcbk%3Fpanoid%3DgPnEgsyD7_R1VgA48WuwWA%26output%3Dthumbnail%26cb_client%3Dsearch.TACTILE.gps%26thumb%3D2%26w%3D96%26h%3D64%26yaw%3D85.66449%26pitch%3D0%26thumbfov%3D100!7i13312!8i6656 (fotos de BG)

17/09/2017

As Jornadas Europeias do Património 2017, 22 a 24 de Setembro 2017


As Jornadas Europeias do Património 2017 vão decorrer entre 22 e 24 de Setembro de 2017 com entradas gratuitas em muitos museus e monumentos e muitas actividades a decorrer por todo o país.

"A entrada nos Museus e Monumentos sob tutela da DGPC, é gratuita no dia 24 para todos os visitantes e no dia 22 e 23 para todos os interessados em participar nas iniciativas integradas nas JEP 2017 e no Lisboa Open House 2017."

Podem ver a lista dos 23 museus e monumentos que terão portas abertas aqui. Muitos destes são em Lisboa (Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves, Mosteiro dos Jerónimos, Museu de Arte Popular, Museus Nacionais da Música, Arqueologia, Arte Antiga, Arte Contemporânea do Chiado, Etnologia, Azulejo, Teatro e Dança, Traje, Coche, e o Palácio Nacional da Ajuda, Panteão Nacional e Torre de Belém), mas a lista vai de Lisboa ao Porto, passando por Viseu, Coimbra, Tomar, Batalha, Mafra e Alcobaça.

Estão também agendadas mais de 1500 actividades diferentes por todo o país, de visitas guiadas a exposições, peddy-papers, etc. Podem ver o programa completo, ordenado por concelho, aqui (ficheiro pdf) ou consultar por concelho/tipo de actividade aqui. Para fazer uma consulta para Lisboa basta seleccionar Lisboa na lista de concelhos.

Em termos mais pessoais, eu irei guiar enquanto voluntário da LPN-Liga para a Protecção da Natureza duas visitas no Sábado, 23, e co-guiar junto com Jorge Fernandes, também para a LPN, uma visita a Monsanto no Domingo, 24. Os título das visitas e as ligações para a informação sobre as mesmas na página da DGPC são os seguintes: 
1. As árvores do Jardim Braamcamp Freire, Campo de Mártires da Pátria 
2. Visita ao Património Arbóreo do Jardim França Borges (Príncipe Real)
3. Um percurso pela herança geológica e de biodiversidade em Monsanto

Há actividades para todos os gostos e feitios. Aproveitem!

13/09/2017

E a reabilitação fake lá continua, cantando e rindo:


Enquanto isso, entre paródias de campanha (btw, não há por ali candidatos à JF? distraídos? Ah, ok), o prédio do 27 da Av. Cde Valbom, edifício de transição, em bom estado de conservação e elemento central daquela frente de quarteirão, foi abaixo pq a CML lhe aprovou um edifício novo para habitação, no entanto, eis que o mesmo vira hotel de 4**** da cadeia Olissipo, numa lindeza que, sendo acima das cérceas vizinhas como o boneco de cima anuncia, está-se mesmo a ver o que vai implicar a prazo, não está? Haja vergonha!


[A este propósito, da reabilitação fake, aqui fica o link para o artigo «Lisboa, capital europeia da demolição 2007-2017» (in Público de 11.7.2017), pode ser que haja quem se interesse. E o álbum de fotos das 236 demolições (entre elas a da casa abaixo indicada) e reabilitações faz-de-conta, que já se conseguiu identificar.]

11/09/2017

Por amor à casa


CASA D´AURORA. Em Ponte de Lima, como sucede frequentemente no Minho, está uma das casas senhoriais habitadas com afeto, há séculos, pela mesma família


In Expresso Online (10.9.2017), por Ana Soromenho

«Histórias de casas antigas e senhoriais, que atravessaram séculos e resistiram ao tempo, contadas por quem as habita [...]»

08/09/2017

Boa, CML, JF Sta. Maria Maior e Museu do Estuque!


Há que elogiar aqui o bom trabalho da CML e da JF Santa Maria Maior no que toca a muitas das intervenções no espaço público (por exemplo, no piso/calçada de várias das ruas de Alfama e Mouraria) mas no capítulo do arvoredo o bom tem sido esmagado pelo péssimo, deprimente e chocante (podas dos jacarandás no Carmo, paradas in extremis; poda da bela-sombra no Limoeiro, etc.). Mas fico particularmente satisfeito com a recuperação do lago e de todo o miradouro de Santa Luzia, e ver que, FINALMENTE, os azulejos do miradouro estão a ser recuperados! (foto do Museu do Estuque). Mto.obrigado.

Boa, JF Alvalade!


Há que elogiar aqui o bom trabalho da JF Alvalade no que toca ao espaço público nalguns locais (por exemplo, não me lembro de ver os espaços verdes da Rodrigo da Cunha - de que creio este banco faz parte, em foto da JFA - ou da Av. Igreja/poente tão estimados quanto agora - mas nesta última são precisas mais árvores - e como ficou boa a obra nos 2 logradouros da Afonso Lopes Vieira) mas noutros (por exemplo, nos mini-logradouros da Av. Brasil) o que fizeram foi nada, acho. E tb fico satisfeito por não terem continuado na saga do abate das árvores da Rio de Janeiro... Mto.obrigado.

Obrigado, chega tarde, mas mais vale tarde que nunca...


Classificação de interesse público do conjunto arbóreo do Jardim Alfredo Keil, localizado na Praça da Alegria, freguesia de Santo António, concelho e distrito de Lisboa: https://dre.pt/web/guest/home/-/dre/108115077/details/2/maximized?serie=II&parte_filter=31&dreId=108098936.

05/09/2017

Jardim das Amoreiras nas mãos de irresponsáveis


Jardim das Amoreiras entregue aos bichos, cimento por todo o lado, bancos com pés acimentados, árvores sem protecção das máquinas que por lá andam, obrinha (do que se trata???) no muro classificado, junto à capela, tílias plantadas recentemente e já mortas... ah mas temos jardinzeco infantil (onde é que já vi isto?)
Fotos e título de Rosa Casimiro, in facebook

04/09/2017

E lá continua a vergonha de termos o departamento de iluminação pública da CML à solta!


E lá continua a vergonha de termos a divisão de iluminação pública da CML à solta! Como é que ninguém consegue travar este fartote é que não entendo. Agora cabe a vez ao bairro de Madredeus, com o abate das colunas de iluminação históricas e a sua substituição pela afronta de via-rápida que a imagem documenta.

29/08/2017

Lixo junto ao Convento/Largo da Graça

Foto do jardim gradeamento do Convento da Graça? Virado para o Largo da Graça! (autor: Fernando Jorge)

Palácio Baldaya, a nova casa da cultura de Benfica, abre as suas portas à comunidade


POR O CORVO • 29 AGOSTO, 2017
Texto de Samuel Alemão

«Ainda não será o cumprir da perene promessa de construir uma biblioteca “a sério” numa das mais populosas freguesias de Lisboa, mas os livros serão protagonistas centrais do renovado Palácio Baldaya, a inaugurar a 1 de setembro. Depois de quase um século a servir de casa do Laboratório Nacional de Investigação Veterinária (LNIV), o edifício construído no final século XVIII como parte da Quinta do Desembargador, e situado junto à Estrada de Benfica, foi reabilitado e ambiciona ser o novo centro cultural de uma zona da capital com cerca de 37 mil habitantes, 12 mil estudantes e três estabelecimentos de ensino superior. Cumpre-se uma promessa: o imóvel, até aqui esquecido, de tom pardacento e no qual ninguém reparava, ganha côr, abre as suas portas e enche-se de vida.

Uma ludoteca infantil, com capacidade para receber crianças surdas-mudas, um espaço de cowork, salas para exposições e ensaios e ainda um núcleo de formação profissional garantem que o centenário prédio funcionará como local dedicado ao conhecimento. “Há mais de 20 anos que existia esta ambição de criar uma biblioteca e um centro cultural aqui nesta zona da cidade. Trata-se, sem dúvida, de um momento muito importante, de grande simbolismo”, diz Inês Drummond (PS), a presidente da junta, sentada num dos bancos do jardim do palacete, que poderá também vir a ser apreciado a partida da esplanada da cafetaria – em abril passado, um espectáculo musical ali realizado já revelara a muita gente os encantos desconhecidos do palácio.

A autarca aproveita a visita d’O Corvo, na manhã desta segunda-feira (28 de agosto), para fazer uma pausa na vertigem de trabalho em que se tem visto envolvida, nos últimos dias, juntando-se aos funcionários da junta e das empresas contratadas, para que tudo esteja a postos para a festa de “reabertura”, como prefere chamar ao momento do franquear de portas à comunidade de um edifício com mais de dois séculos. Um acto de vandalismo, no final da semana passada, materializado em manchas de tinta preta atirada às paredes e aos vidros do interior do reabilitado edifício, obrigou ao redobrar de esforços, durante o fim-de-semana. Acto ao qual se juntou muita gente. [...]»

24/08/2017

Ui, ui, ui


Refere o autor da foto (Alexandre Pomar, in Facebook), que o painel foi para restauro e é para repor. Bom, mas não podiam restaurá-lo ali? O prédio vai para obras, é? Isto vai ser para repor como repuseram aqueles do hall do edifício da Biblioteca Camõe, no Loreto? Temo que isto tudo dê asneira da grossa. Este painel publicitário, tal como outros (poucos) ainda existentes em Lisboa (o estropiado da loja de ferragens mais atrás, o do bar americano, o do prédio da seguradora, no Corpo Santo, e mais uns 2-3), há muito que devia ser classificado de Interesse Público e tratado como tal. O giro giro da coisa é estar isto a ser feito um dia depois da publicação de mais uma portaria em defesa do património azulejar. Vamos ver no que isto dá ...

...

E até ver a coisa está bem assegurada, porque é a "Conservação ao Quadrado" que está a tratar da sua saúde. Oxalá tudo corra pelo melhor e possamos todos ver com agrado a reposição exemplar daqueles que são talvez os azulejos publicitários mais bonitos de Lisboa, dos poucos que ainda restam, aliás.

«A conservação ao Quadrado tem a enorme satisfação de estar intervir num dos mais conhecidos exemplos de publicidade em azulejo! Alguém conhece? :) — a sentir-se orgulhoso/a» (in Facebook)

23/08/2017

PLANO DE PORMENOR DO CAIS DO GINJAL - Discussão pública até 18 de Fevereiro de 2018 - PARTICIPE!

TODA a documentação disponível AQUI.

A lei protege os azulejos mas há quem os continue a vender


In Público (23.8.2017), por João Pedro Pincha

«Alteração à lei passou a proteger todas as fachadas azulejadas do país, uma medida há muito desejada por grupos de defesa do património. Mas a luta destes grupos continua: há que regular a venda de azulejos antigos e proteger também os interiores.

A Feira da Ladra só fecha às seis, mas antes das cinco já é hora de começar a arrumar a trouxa. Os comerciantes vão embrulhando lentamente as porcelanas em folhas de jornal, os discos em capas plásticas e os livros em caixas de cartão. Os azulejos, dispostos sobre toalhas e tapetes ou enfiados em caixas de fruta, vão ficando para o fim. São mais pesados do que a maioria das bugigangas que por ali se vendem e sempre se pode dar o caso de aparecer algum cliente de última hora. [...] É por causa desta apetência de alguns turistas, que em vez de levarem um íman para o frigorífico preferem um souvenir mais typical, que continuam a ser roubados azulejos de muitas fachadas lisboetas e não só. Por outro lado, muitos prédios são reabilitados com demolição integral do seu interior, onde muitas vezes se esconde um tesouro azulejar ainda mais impressionante que os das fachadas. Em Lisboa, desde 2013 que é proibido demolir edifícios com fachadas revestidas a azulejos – embora esta regra possa ser contornada. Essa proibição, bem como a de remover os pequenos mosaicos durante obras de reabilitação, estendeu-se agora a todo o país, através de uma revisão do Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) que era há muito desejada por grupos de defesa do património. Em comunicado, os responsáveis do projecto SOS Azulejo, que funciona na dependência da Polícia Judiciária e que propôs a alteração legislativa, afirmam que esta “lei vem estancar a tendência destrutiva dos últimos 30 anos, que fez desaparecer — por via legal — centenas, senão milhares de edificações azulejadas em todo o país”. “Estamos todos de parabéns!”, começava o comunicado. Ainda assim, a luta continua. O SOS Azulejo quer agora que “limitar e controlar a venda de azulejos antigos”, como a que se faz na Feira da Ladra, lojas de antiguidades e outras feiras de velharias pelo país. Os mosaicos colocados no interior dos edifícios continuam também relativamente desprotegidos. [...]»