18/08/2017

As palmeiras de Roma são salvas a todo o custo. Em Lisboa deixam-nas morrer. Lisboa é a imagem da indigência.

Jardim do pátio do Palácio Veneza. Um autêntico jardim de palmeiras. Aqui esforçam-se por não as deixar morrer. O oposto  da incúria característica da CML e de grande parte das  Juntas de Freguesia de Lisboa, no que diz respeito ao arvoredo, espaços verdes e património edificado.

Magníficos exemplares de palmeiras das canárias nos jardins do palácio Barberini.



A diferença com que se tratam os assuntos de património e de arvoredo em Roma comparados com Lisboa é abissal. A capital portuguesa sai a perder em toda a linha, não tem Regulamento Municipal de Arvoredo, encravado numa guerra de egos entre a inútil AML e a CML, os jardins históricos estão ao abandono, a Avenida da Liberdade é uma ruína botânica. As colecções de palmeiras das canárias estão a ser destruídas.

As alamedas dos jardins botânicos, da quinta das Conchas, do Campo Grande foram todas dizimadas pelo desleixo. Em Roma também há a praga do escaravelho do Egipto, há é outra vontade na resolução dos problemas.

Neste momento Lisboa é a imagem da indigência no que toca a património e arvoredo.

Esta é a verdade, tudo o resto é a típica banha-da-cobra dos dirigentes.

4 comentários:

Anónimo disse...

Não só em Lisboa mas em todo o país se verifica por parte dos sucessivos governos um total desinteresse pelos bens patrimoniais, nomeadamente os bens naturais que a todos pertencem.

Veja-se o que se passa com os incêndios florestais, situação que nos devia envergonhar a nível internacional e que não merece da parte da classe política nenhum movimento de estudo para a prevenção dos fogos florestais; o seu combate interessa a muita gente, já a sua prevenção , embora protegendo um bem essencial, parece que não interessar à classe política.

Pinto Soares

Carlos Moura disse...

Caro amigo Miguel Veloso. Caro amigo Pinto Soares
Permitam-me alguma discordância com o teor do artigo e do comentário.
É com efeito verdade que as palmeiras de Lisboa estão completamente abandonadas, e nem vale a pena dizer, como o faz o Vereador do Pelouro, que da parte do Ministério não há solidariedade o que impede um combate eficaz. A realidade mostra que quando existe interesse, como no caso de certos jardins particulares, é possível uma acção de protecção.
Já quanto ao Regulamento e é aqui que quero discordar, não é uma Guerra de Egos é algo bem mais grave. É que o Regulamento iria obrigar as Juntas a seguirem uma regra igual à do Município e elas não quiseram. Agora adquirido este "feudo" não querem dele abrir mão, querem prosseguir o desmando, e por isso fizeram aprovar na AML um texto diferente impondo-o à Câmara que, como procura salvar-se das críticas do imenso disparate que foi a Reorganização Administrativa, não pode aceitar. É isto é não qualquer problema de Egos que impede o Regulamento.
Quanto aos fogos florestais tudo mas tudo está mais do identificado e conhecido, não é implementado porque não é do interesse de quem lucra com maiores parcelas para a sua produção de eucalipto. São os "negócios" a mandar na política e é esse o problema.
Abraço e até nos encontrarmos pessoalmente um destes dias.

Miguel de Sepúlveda Velloso disse...

Caro Carlos Moura,

Obrigado pelo comentário e peço desculpa por só agora reagir. Subscrevo na íntegra o que diz. Utilizei a expressão por não ter espaço (nem paciência, na verdade) para explicar o vai-e-vem do Regulamento.

O que é facto, é que Lisboa não o tem.

em relação aos fogos, Portugal é campeão da mais idiota incúria e idiotice. Em Itália com semanas a fia acima dos 40º, com fogos graves, o combate é seguramente mais eficaz. Num país maior ate´meados de Agosto tinham ardido 70.000 hectares. Nós já vamos em mais de 140.000.



Abraços e até breve

Filipe Melo Sousa disse...

Por favor retirem essa saloice das palmeiras de Lisboa e substituam-nas por árvores autóctones. Palmeiras só dão ar de país pobre